Novidade!!! Lançamento!!!

Novidade!!! Lançamento!!!
Livro em formato E-Book

Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

Minha lista de blogs

Páginas

16 de julho de 2012

Apocalipse


APOCALIPSE
A RELIGIÃO NUNCA DEIXOU DE PROCLAMAR O APOCALIPSE
e o Dia do Juízo.

O que é o Apocalipse?

O termo apocalipse tecnicamente refere-se a escritos sobre os ensinamentos secretos e os tempos finais, mas no vernáculo popular que também tem vindo a descrever reais eventos cataclísmicos si mesmos, em que o bem e o mal lutam entre si pela última vez - e, claro, as forças do mal perder e todos são julgados por um tempo final. Pode também ser utilizado para descrever qualquer evento devastador geralmente, tal como uma guerra apocalíptica.

O termo Apocalipse ?

O apocalipse termo é derivado da palavra grega apokaluptein, que significa "revelar ou divulgar." Ele apareceu pela primeira vez como o título do livro cristão Apocalipse de João, ou Livro da Revelação, mas foi posteriormente aplicado à literatura cristã e judaica . 

O que é literatura apocalíptica?

O rótulo "literatura apocalíptica" refere-se à escrita cristã e judaica precoce entre 250 aC e 200 dC, que incide sobre sonhos e visões do futuro, os segredos do cosmos e revelações de Deus sobre o destino final do mundo ou da humanidade. Há, portanto, uma forte ligação entre literatura apocalíptica e literatura profética. A maioria dos escritos apocalípticos é anônima ou sob pseudônimo.

Quais são os ensinamentos apocalípticos?

O objetivo das escolas de pensamento apocalíptico é tentar "descobrir" informações ocultas nas escrituras sobre o que Deus tem planejado para o destino da humanidade - em especial sobre o conflito final entre o bem e o mal. Ensinamentos apocalípticos são para tranqüilizar as pessoas que os problemas atuais podem ser o resultado do poder do mal no mundo, mas tudo isso acontece de acordo com o plano de Deus. No final, Deus vai prevalecer e o mal vai perder.

A razão é que a visão apocalíptica é baseada em idéias mitológicas que eu simplesmente não posso aceitar, nem como ateu. Acho, simplesmente risível. Acho o assunto irrevelante. E explico, pois a triste realidade (para os crentes) é que o livro do Apocalipse, nem qualquer outro livro da Bíblia, tenha sido escrito pensando em nós. Ele foi escrito para as pessoas que viviam na época do autor. Quando o autor do Apocalipse esperava que o Senhor Jesus viesse "muito em breve" (Ap 22:20), ele realmente queria dizer "muito em breve", não 2 mil anos depois (mais tarde esse sofisma foi modificado
2 Pd 3:8).

Os apocaliptistas, inventaram a idéia de que as pessoas viveriam eternamente, ou no Reino de Deus ou em um reino de tormento. Para os apocaliptistas, tudo no mundo é dividido em dois campos: bem e mal. Deus e o Diabo. Do lado de Deus estão os anjos bons; do lado do Diabo os demônios iníquios. Deus tem o poder da justeza e da vida; o Diabo tem o poder do pecado (ato de desobediência) e da morte.

A primeira expressão dessa visão de fato surge no livro de Daniel (capítulo12). Quem é o culpado para o sofrimento? Para Amós, o povo é responsável por seu próprio sofrimento: ele pecou e Deus o pune. Para DANIEL são as forças aliadas contra Deus as culpadas: eles estão perseguindo aqueles que cumprem a vontade de Deus.
O que causa o sofrimento?
Em Amós, atividade pecadora do povo de Deus. Em Daniel, o comportamento justo daqueles aliados a Deus.
Como o sofrimento vai terminar?
Para Amós, terminará quando o povo de Deus se arrepender e retornar à trilha de Deus. Para Daniel, quando Deus destruir as forças do mal que se opõem a ele e estabelecer o reino bom para seu povo.
Quando vai terminar?
Para Amós, terminará em um futuro não revelado, quando o povo de deus vir os erros de seus atos e se arrepender. Para DANIEL logo, quando Deus intervir na história para derrotar as forças do mal.

A fervorosa expectativa de que devemos estar vivendo no final dos tempos com o tempo se provou - SEMPRE - ERRADA.
Para pensadores antigos, como os autores da Bíblia, a própria noção do que iria acontecer no final dos tempos era baseada em uma compreensão do mundo como um universo de três andares no qual Deus, acima, tinha abandonado o controle da terra aqui embaixo,  mas que logo desceria e traria o mundo de cima para nosso mundo aqui embaixo. Mas não há Deus lá em cima, logo acima do céu, esperando para "descer" aqui ou para nos levar lá para "cima"

Além disso, a fervorosa expectativa de que devemos estar vivendo no final dos tempos com o tempo se provou sempre errada. É "verdade" que aqueles que sofrem (e assim acreditam) podem encontrar esperança na expectativa de que logo todas as coisas serão transformadas, que o mal que eles experimentam será destruído e que eles "receberão" justa recompensa. MAS TAMBÉM É FATO QUE ESSE FIM ESPERADO NÃO VEIO, E NUNCA VIRÁ até que, qualquer que seja a razão, a raça humana simplesmente deixe de existir (daqui a bilhões de anos).

Na verdade, sempre profetas (felizmente estamos ficando mais livres deles) nos dizendo que isso vai acontecer muito em breve. Sempre que há uma grande crise mundial esses profetas ganham força. Escrevem livros (muitos deles ganham muito dinheiro fazendo isso, o que sempre me pareceu irônico e hilário). Dizem que os acontecimentos do Oriente Médio, na Europa, na China, na Rússia ou em nosso país estão obedecendo ao que foi previsto pelos profetas há muito tempo. MAS ENTÃO O TEMPO PASSA E NADA MUDA, a não ser os donos do poder e suas políticas e, com freqüencia, as fronteiras dos países que eles controlam. E surge uma nova crise, é o fundamentalismo islâmico, é a China sem deuses, é....E assim por diante, "ad infinitum", e o mundo não acaba.

Há problemas com esses pontos de vista. O mais óbvio é o fato de que todos que já fizeram uma previsão desse tipo, cada um deles, estavam absolutamente errados. Os primeiros cristão acreditavam que viviam "nos últimos dias". E o que acontece uma crença é absolutamente desmentida pela história? Outro problema é que esse tipo de perspectiva tende a alimentar a complacência religiosa entre aqueles que "sabem" o que o futuro reserva e não estão dispostos a estudar seus pontos de vista de forma crítica. Há poucas coisas mais perigosas de que a certeza religiosa...
Outro problema é que "saber" que todas as coisas no final serão consertadas por uma intervenção sobrenatural pode levar a uma espécie de complacência social, a um desinteresse em lidar com o mal quando nos deparamos com ele aqui e agora, já que isso será enfrentado posteriormente por Alguém muito mais capaz de lidar com ele do que nós somos. Mas complacência face ao sofrimento não é a melhor forma de lidar com o mundo e seus imensos problemas.

As religiões aproveitam deste medo mórbido para atrair mais e mais adeptos. No futuro quando a mente humana estiver mais desenvolvida, a inteligência estar mais aprimorada, religião será coisa do passado...
              
Se Você se sente aprisionado na religião em que foi criado, valeria a pena se perguntar como isso aconteceu. A resposta normalmente é alguma forma de doutrinação infantil. Se você é religioso, a imensa probabilidade é de que tenha a mesma religião por tradição e submissão de seus pais. Pense. Se você tivesse nascido no Oriente Médio, qual seria sua religião? Você seria vítima da doutrinação infantil do islamismo. Você seria uma criança muçulmana iludida pelo sistema educacional de pais muçulmano

Para esse autor, NÃO HÁ VIDA  APÓS A MORTE, QUE ESTA VIDA É SÓ O QUE HÁ. Isso, porém não nós deve desesperar. Deve nos levar a desfrutar da vida ao máximo, pelo maior tempo que pudermos e de todas as formas possíveis, apreciando especialmente os momentos preciosos da vida que podem nos dar prazer inocente: relacionamentos íntimos, famílias amorosas, boas amizades, boa comida e boa bebida, mergulharmos no trabalho e na diversão, fazendo o que gostamos. È desfrutar o que chega  a nós em nossa curta estadia na terra.

Violenta, irracional, aliada do racismo, do tribalismo e do fanatismo, BASEADA NA IGNORÂNCIA e HOSTIL A LIVRE REFLEXÃO, depreciativa das mulheres e coerciva para com as crianças: a religião organizada tem muito em sua consciência.
Há mais uma acusação a ser acrescentada à lista de indiciamentos. Com uma boa parte de sua mente coletiva, A RELIGIÃO ESPERA A DESTRUIÇÃO do mundo.
Com isso eu não quero dizer “espera” simplesmente  no sentido escatológico de antecipar o fim.

Na verdade quero dizer que ELA, ABERTA OU DISFARÇADAMENTE, DESEJA QUE O FIM ACONTEÇA. Talvez meio consciente de que seus argumentos por si sós não totalmente convincentes, e talvez desconfortável com sua própria acumulação gananciosa de poder temporal e riqueza,
A RELIGIÃO NUNCA DEIXOU DE PROCLAMAR O APOCALIPSE e o Dia do Juízo.
Tem sido um tropo constante desde que os primeiros médicos-feiticeiros e xamãs aprenderam a prever eclipses e a usar seu conhecimento celestial sem consistência PARA ATERRORIZAR OS IGNORANTES. Isso se estende das epístolas de São Paulo, que claramente acreditava que estava chegando o fim do tempo da humanidade e esperava por isso, passando pelas FANTASIAS DELIRANTES do LIVRO APOCALIPSE, que pelo menos foi escrito de forma memorável pelo suposto São João, o Divino, na ilha grega de Patmos....

Hoje podemos rir dos pregadores hidrófobos de inferno e danação, que adoravam atormentar almas jovens...Mas a religião legitima tais impulsos, e alega ter o direito de oficiar no final da vida, assim como espera monopolizar as crianças no início da vida....Mas sou compelido a me lembrar do que sei – que, para começar, não haveria igrejas se a humanidade não tivesse temido o clima, o constante medo da morte e julgamento,  sua constante mensagem de submissão, gratidão e medo do escuro,da peste, do eclipse e todas as outras coisas hoje facilmente explicáveis!

É uma questão fascinante e de certa forma não encerrada desde que o homem inventou a religião e os milhares de deuses que um dia mantiveram as pessoas em completa escravidão.

Se mesmo assim o leitor desse comentário, que defende a caridade a compaixão, sinceridade e a razão, que tem certeza de que se pode levar uma vida ética sem religião, quiser ir além da minha discordância e tentar me identificar como “pecador”, blasfemo, estará também discutindo com o “criador desconhecido” – supostamente (mas improvável) me fez assim. Com descrença honesta e convencida em vez de hipócrita crença.
EVOLUIR... Mas paga-se um preço pra isso... Nem todo mundo tem coragem nem está disposto a pagar esse preço que é pensar. Na verdade os crentes têm medo de ler esses argumentos

Em geral me sinto melhor, e não menos radical, com o direito a não acreditar ou ser obrigado a acreditar. E Você também irá se sentir melhor, garanto, quando se livrar da doutrinação que lhe foi imposta desde a infância e permitir que sua mente livre pense por conta própria. Ou,  talvez  "pensar" possa pesar muito! Por isto é melhor mantê-lo vazio, afinal de contas, que utilidade tem um cérebro que reflita?  


Inspirado por CRISTOPHER HITCHENS autor de
“Deus não é Grande”, como a religião envenena tudo.
E BART D. ERHMAN, autor de “O problema com Deus”


Nenhum comentário: