Novidade!!! Lançamento!!!

Novidade!!! Lançamento!!!
Livro em formato E-Book

Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

Minha lista de blogs

Páginas

12 de outubro de 2010

Capitulo 54: MADRE TERESA - sua fé e religiosidade!

Madre Teresa sua fé e religiosidade


A Missionária Madre Teresa de Calcutá morreu em 1997, como uma representante perfeita da fé cristã, Agnes Gonxha Bojaxhiu ganhou o Prêmio Nobel da paz, em 1979, pelo trabalho social realizado na Índia. Foi denominada Missionária da Caridade por sua dedicação a leprosos, idosos, crianças e adultos sem distinção. Se dedicou aos excluídos, muito pobres, miseráveis e enfermos na Índia.
Teve um turbilhão de dúvidas. Viveu uma grande fase de escuridão interior que se prolongou até a sua morte. Ela tinha dúvidas. Quanto à presença de Cristo em sua vida, não “sentia” o amor de Cristo. Quanto ao poder das orações e até mesmo quanto à existência de Deus. A fé alimentava seu coração no interessante esforço de ajudar os pobres, oprimidos e os doentes e a religião foi somente a embalagem. Conforme cartas que enviou a seu padre confessor, desabafa a “Santa das Sarjetas”, com dúvidas profundas sobre a falta de fé em Deus, provocando discussões sobre sua possível falta de resposta Dele :

“Disseram-me que Deus me ama, e ainda assim a escuridão, o frio e o vazio são tão grandes que nada toca a minha alma. Terei eu errado ao me entregar cegamente ao chamado do Sagrado Coração ? Há uma escuridão terrível dentro de mim. Tem sido assim desde que comecei meu trabalho”.

“Tão profunda ânsia por Deus e...repulsa – vazio – sem fé – sem amor – sem fervor. Almas não atrai – O céu não significa nada – reze por mim para que eu continue sorrindo para Ele apesar de tudo”.

“Se não houver Deus – não pode haver alma – se não alma, então, Jesus – Você também não é real”

O jornal New York Times em editorial de 5 de setembro de 2007, assinala que Madre Teres em uma das suas cartas afirma que: Se alguma vez chegarei a ser santa, seguramente o serei da escuridão. O editorial cita a jornalista e escritora Flannery O’Connor, católica que passou por uma difícil enfermidade, de natureza degenerativa, a qual escreveu que existem pessoas que “pensam que a fé é um grande cobertor elétrico, quando é com certeza a cruz”...que “a santidade tem que ver mais com obediência que com, sentimentos espirituais, que a fé pode existir com o sofrimento e a dúvida, que a santidade pode ser mais áspera e mais difícil do que imaginamos”.

Críticos de Madre Teresa, como Christopher Hitchens, Aroup Chatterjee e Robin Fox, argumentam que sua organização fornecia ajuda abaixo dos padrões e que ela estava primariamente interessada em converter pessoas à beira da morte para o Catolicismo. Salientam que ela usou doações para atividade missionárias em outros lugares, em vez de gastar na melhoria do padrão de ajuda médica. Esses críticos representam ainda uma pequena minoria, mas colocaram objeções fortes às virtudes de Madre Teresa.
A Igreja Católica nega a maioria dessas críticas. Por exemplo, a idéia de que missionários gastavam dinheiro em atividades missionárias parece óbvia e Madre Teresa nunca afirmou que suas atividades eram sobre ajuda médica. Hitchens escreveu que as próprias palavras de Madre Teresa sobre pobreza provam que “suas intenções não eram de ajudar as pessoas, Madre Teresa não era amiga dos pobres, era amiga da pobreza pois condenava a questão ridícula do aborto”. E vai mais fundo afirmando que ela mentiu a doadores sobre onde suas contribuições eram usadas.
Em 1994, Hitchens publicou um artigo no The Nation entitulado “O Demônio de Calcutá”. Dr. Aroup, o autor de “Madre Teresa: O Veredito Final” (2003) afirma que a imagem pública de Madre Teresa como protetora dos pobres, dos doentes e dos à beira da morte é errada e exagerada; ele mantém que o número de pessoas que são ajudadas por entidades sociais não é perto do que os ocidentais são levados a acreditar.
Como o Vaticano aboliu o papel tradicional de “Advogado do Diabo” que servia a um propósito similar, Hitchens foi a única testemunha chamada pelo Vaticano para dar evidência contra a beatificação e processo de canonização de Madre Teresa.

Não vão faltar “milagres” para o Vaticano, mesmo que doenças tenham sido curadas pela medicina, mesmo que não tenha distribuído anticoncepcionais para controle de natalidade da população que mais cresce e se multiplica no mundo.Quanta pobreza e miséria poderia ter sido evitada.
Em contraste, voluntários de uma organização chamada Médicos Sem Fronteiras (veja o documentário: Invisible Crimes), não desperdiçam tempo algum falando com as pessoas sobre o nascimento de Jesus de uma virgem. Para Roma o que interessa é uma cerimônia que proclame a santidade de Madre Teresa , já beatificada, como alguém mais forte que a medicina.

*********************
“Uma visita ao hospício mostra que a fé não prova nada”

Friedrich Nietzsche


“O médico vê o homem em toda a sua fraqueza;
o jurista o vê em toda a sua maldade;
o teólogo, em toda a sua imbecilidade.”

Schopenhauer

Um comentário:

Anônimo disse...

Eu realmente gostei do seu site. Excelente conteúdo. Por favor, continuem postando cotent tão profunda.